KRAV MAGA

Fruto da necessidade básica de sobrevivência, o Krav Maga nasceu em meados dos anos 40 pelas mãos de Imi Lichtenfeld (Z”L) em Israel. Tendo como ferramenta apenas seu próprio corpo, entendeu que seus movimentos naturais poderiam ser trabalhados para a defesa própria e combate e que os seus pontos fracos e sensíveis também o eram para seus adversários. Com esta conclusão, decidiu criar uma técnica que seria eficiente para qualquer um, independente de força ou preparo físico, idade ou sexo.

Krav Maga Anos 50

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tendo como berço os movimentos de resistência de judeus da Europa durante a 2ª Guerra, se desenvolveu e amadureceu em Israel, sendo utilizado pelos grupos de defesa que ali existiam e, com a independência do Estado em 1948, tornou-se a filosofia de defesa adotada pelo Tzahal, serviço militar israelense, polícia e serviço secreto. No início era restrito apenas à elite militar mas a partir de 1964 foi liberado o ensino aos militares em geral e à população civil dentro do Estado de Israel.

E foi neste momento que seu criador, com a preocupação de dar continuidade à sua obra transmitindo-a para o resto do mundo e para as próximas gerações, selecionou um pequeno grupo que seria treinado e preparado para este fim. Em 1987, foi liberada a saída do Krav Maga para fora de Israel.

A FILOSOFIA

O Krav Maga é uma arte na essência da palavra, pois transmite ao praticante idéias e sentimentos. Ele cria um caminho de vida competitivo, onde o aluno compete consigo mesmo e alcança suas metas por si só. O treinamento estimula a vontade de se superar; não só fisicamente, mas em todos os aspectos do ser humano.

É uma arte eminentemente prática que, através do trabalho corporal, atinge a mente, o intelecto e a espiritualidade. É empírica por trabalhar o corpo para então atingir a mente. O Krav Magá não diz verdades teoricamente, ele estimula a busca individual. Uma das metas principais é a conquista da autoconfiança.

Coragem: enfrentar obstáculos, não importando a sua dimensão;
Equilíbrio emocional: controlar as emoções, não permitindo que o medo impeça a ação;
Paciência: uma mudança de postura em relação a vida e a si próprio: acontece gradativamente, cada um ao seu tempo;
Respeito: respeitar a si próprio e ao próximo, até mesmo o inimigo.

 

O aluno aprende estes princípios através da rotina do treinamento físico e suas dificuldades, consciente do percurso necessário para adquiri-los. Adultos, crianças ou adolescentes assimilam estes princípios com a mesma intensidade, que passam a ser parte de sua própria natureza; a vontade de lutar por seus objetivos e a persistência mesmo ao encontrar dificuldades, o equilíbrio diante das situações, a independência. Tudo isso o coloca em posição de total autocontrole e afastado da violência.

Para ter condições de se defender, é necessária a união entre o conhecimento técnico e a capacidade mental.